Sábado, 21 de outubro de 2017

Habacuque Villacorte

Presente de grego! Belivaldo responde por desgaste do governo cedo demais!
11/10/2017 às 09:57:47

Por mais que o governador Jackson Barreto (PMDB) tenha todas as razões do mundo para confiar e apostar no vice, Belivaldo Chagas (PMDB), como candidato a chefe do Executivo Estadual em 2018, na visão deste colunista a confirmação da pré-candidatura do peemedebista se deu cedo demais. Alguns governistas querem que o “galeguinho” comece a viabilizar seu nome, desde já. Querem sentir se Belivaldo cresce nas pesquisas até janeiro próximo. Há quem diga que, se mais adiante a situação não mudar drasticamente, o governo apostará em outra pré-candidatura.

 

Belivaldo Chagas é uma figura muito bem quista no meio político. Está claro que tem uma desavença com seu antigo partido e com o senador Antônio Carlos Valadares (PSB), mas se relaciona bem com os aliados e, também, em setores da oposição. Tem em suas mãos o maior trunfo: se Jackson Barreto sair do governo para disputar o Senado, ele assume o comando do Poder Executivo, no mais tardar, em abril do próximo ano. Mas pesa contra o fato de não ser um político “populista”, como foi Marcelo Déda (in memoriam) e como é JB.

 

Ser lançado um ano antes da eleição, em tempo, tanto pode representar a confiança de todo o agrupamento como também é um grande risco para Belivaldo que, além do desafio de tentar crescer nas pesquisas, também passou a responder pelo desgaste do governo cedo demais! Para este colunista foi sim um “presente de grego” dado por Jackson Barreto que teria “lavado as mãos”, transferindo a “bronca” para o vice e jamais poderá ser questionado se, lá na frente, Belivaldo não vir a ser o candidato a governador do grupo.

 

O governo de Jackson Barreto enfrenta profunda rejeição junto ao povo sergipano. A Educação não tem bons índices, a Segurança Pública é um verdadeiro caos, a Saúde tem uma gestão bastante questionada, não se vê uma política eficiente de turismo e nem de Meio Ambiente e na Justiça, sem contar a infraestrutura, com obras que se arrastam e com as rodovias estaduais em estado de profundo abandono. E o pior: o Estado segue pagando os servidores públicos com atraso e há vários anos sem conceder a correção inflacionária.

 

E, como pré-candidato ao governo, toda essa “bronca” agora Belivaldo também tem que assumir. Como vice-governador, é evidente que ele já tem essa responsabilidade, mas não há como negar que após o anúncio, há uma tendência natural de ele ficar mais exposto e todas as atenções e cobranças se voltam para ele. A polêmica em torno de seus vencimentos, por exemplo, apesar de a priori não existir qualquer ilegalidade, foi um tema que foi sim usado politicamente por seus adversários e que findou não repercutindo bem junto à sociedade, ainda mais em tempos de crise financeira.

 

Em síntese, se Belivaldo é realmente o candidato do agrupamento político que representa, não basta apenas o anúncio pelo governador Jackson Barreto, mas é um projeto que requer a dedicação e o empenho de todos os envolvidos. De nada adianta JB e outros membros do bloco defenderem o “galeguinho” se outra parte ainda levanta dúvida sobre seu nome e até trabalha outra candidatura. Belivaldo precisa ter cuidado e atenção com o “fogo amigo”, para não sair desgastado deste processo e ter que ser “rifado” lá na frente. É “descascar o abacaxi” em suas mãos...

 

Veja essa!

Um fato relevante deve ser levado em consideração nesta pré-candidatura de Belivaldo: se realmente estiver disposto a deixar o governo em janeiro, Jackson Barreto tem cerca de dois meses para resolver o problema das Fundações de Saúde, antes do recesso parlamentar na Assembleia.

 

E essa!

Em síntese, se Jackson Barreto não resolver o problema crônico das Fundações, idealizadas por Marcelo Déda e Rogério Carvalho (PT) lá atrás, em 2018 quem terá que se dividir entre o projeto político e o comando do Executivo para assumir esta “bronca” será Belivaldo Chagas. Pelo visto, o vice não terá vida fácil...

 

Falando nele

Rogério Carvalho é candidato ao Senado, mas há sim um movimento dentro do agrupamento governista para que ele venha a ser o candidato ao Executivo, sobretudo se Belivaldo não “emplacar” nas pesquisas. É aguardar o 2018 chegar...

 

Jairo de Glória

O deputado estadual Jairo de Glória (PRB) voltou à tribuna da Assembleia Legislativa para condenar os posicionamentos do diretor de operações do DER, Adaílton Martins. Segundo o parlamentar, o auxiliar do governo “usa o cargo para cooptar lideranças políticas”.

 

Ciúmes

Em entrevistas a setores da imprensa, Adailton Martins chegou a dizer que as denúncias de Jairo de Glória se deram por “ciúmes”, pelo fato do deputado estar incomodado com sua pré-candidatura a deputado estadual em 2018.

 

Adaílton Martins

Este colunista entrou em contato telefônico com Adaílton Martins e o mesmo agradeceu o contato, mas preferiu não mais se manifestar sobre as declarações de Jairo de Glória. Disse que vai permanecer em silêncio a partir de agora.

 

Exclusiva!

Após a sessão plenária desta quarta-feira (11), a base governista na Assembleia Legislativa deverá se reunir com o presidente da Casa, deputado estadual Luciano Bispo (PMDB), e com o líder do bloco, deputado Francisco Gualberto (PT).

 

Bomba!

Luciano e Gualberto serão os interlocutores dos deputados junto ao governador Jackson Barreto. Na reunião serão definidas as ações da base aliada na Casa e os parlamentares vão exigir o reconhecimento do empenho deles pelo Executivo.

 

Cobrança

Os deputados vão exigir que o governador determine que, quem for candidato a deputado estadual em 2018, que se desincompatibilize do Executivo já a partir de janeiro. “Quem for aliado do governo terá que caminhar junto, dentro do mesmo bloco. Isso vale para o PODEMOS e para o PT também”, disse um parlamentar.

 

Chapão

A mesma “fonte” confirmou ainda que já há um entendimento entre os parlamentares governistas que em 2018 o bloco terá apenas um chapão para a eleição de deputado estadual. “Esta quarta-feira será um dia importante para a bancada de situação na Casa”, revelou.

 

Belivaldo

Por fim, há um consenso entre os deputados que o candidato a governador deve ser sim Belivaldo Chagas e vão cobrar essas medidas de Jackson Barreto, já de agora, para não prejudicar o começo da articulação política do vice-governador.

 

Caso Sukita I

A Polícia Civil vai instaurar inquérito para apurar as graves denúncias feitas pelo ex-prefeito de Capela, Manoel Messias Sukita, ao afirmar durante entrevista em uma emissora de rádio da capital, que foi torturado enquanto esteve preso no Complexo Penitenciário Advogado Jacinto Filho (Compajaf).

 

Caso Sukita II

As investigações serão conduzidas pelo titular da 9ª Delegacia Metropolitana, delegado Gilberto Guimarães, unidade responsável pela região do Santa Maria, onde está instalada a unidade penitenciária na qual Sukita esteve preso. O ex-prefeito foi encaminhado ao Compajaf depois de ser preso pela Polícia Federal, em cumprimento a ordens judiciais. 

 

Caso Sukita III

A determinação para instauração do inquérito policial partiu da delegada-geral da Polícia Civil, Katarina Feitoza, após Sukita afirmar em entrevista que a tortura aconteceu e até o momento nada foi investigado. Sukita alegou que em 40 dias, apenas tomava água à noite e que passou 37 dias sem ver a luz do sol.

 

FPM 

Nessa terça-feira (10), as prefeituras sergipanas deveriam receber sua parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Contudo, não foi o que aconteceu. O deputado estadual Georgeo Passos (PTC) revelou que pelo menos seis cidades não tiveram o que receber.

 

Georgeo Passos I

Em levantamento preliminar feito pelo parlamentar, as cidades de Ribeirópolis, Malhador, Frei Paulo, Feira Nova, Rosário do Catete e Japaratuba não receberam nenhum valor do Fundo. “Ao olhar o extrato do repasse ele está zerado”, comentou. Georgeo afirmou que isso é bastante prejudicial para os cidadãos e entes públicos municipais.

 

Georgeo Passos II 

“A grande maioria dos municípios tem a sua maior fonte de receita no FPM. Os compromissos de final do mês estão chegando, como pagamento dos servidores públicos, fornecedores e repasse para os Legislativos municipais, mas poucos prefeitos tem a certeza que honrarão estas obrigações da forma que se encontram, infelizmente. É toda uma máquina pública que precisa funcionar, são serviços de saúde, educação, iluminação, transporte, limpeza e outros, mas que podem ser comprometidos com estas parcelas do fundo zeradas”, lamentou.

 

Augusto Bezerra I

O deputado estadual Augusto Bezerra (PHS) ratifica sua preocupação com o Rio São Francisco. Lembrando que o ‘Velho Chico’ tem sido uma bandeira dos seus mandatos, Augusto observou que o rio está praticamente morto, e que não cabem mais discussões e nem discursos: é preciso os Poderes Legislativo e Executivo se somarem a outras forças para que ações sejam postas em prática para salvar o Rio São Francisco.

 

Augusto Bezerra II

“Para mim, o brasileiro que mais lutou pela recuperação do Rio São Francisco, e hoje eu não vejo como deveria acontecer, ser citado em todos os discursos, é o doutor João Alves Filho, ex-governador, que apresentou todas as perspectivas de salvação do rio, mas ninguém quis ouvi-lo. O Rio está morto. Há mais de 15 anos, João tem livros editados sobre isso. Mostrando as soluções”, disse Augusto.

 

João Alves Filho I

Citando passagens de um dos livros do ex-governador João Alves sobre o Rio São Francisco, Augusto explicou que o nome Rio da Integração Nacional vem da época de Dom Pedro, já que ligava Pirapora a Piranhas. “Esse modelo foi copiado, e tudo no Brasil se copia errado. Em 1933, o Vale do Tennessee nos Estados Unidos era uma região pobre e todo mundo sabe que onde tem água não deveria ter pobreza. Água significa progresso”.

 

João Alves Filho II

“Lá (Vale do Tennessee) foi criada uma empresa exclusiva para gerar o desenvolvimento do Tennessee. Hoje, quem puder visitar, e doutor João, na época governador, levou vários deputados para fazer uma visita, e todos viram como se trata o Rio, em termos de energia e desenvolvimento”, disse.

 

Maria Mendonça I

A deputada Estadual Maria Mendonça (PP) prestou solidariedade aos servidores da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) que estão com seus empregos ameaçados diante da possibilidade de extinção da autarquia. Os trabalhadores ocuparam a galeria da Assembleia Legislativa para pedir o apoio dos deputados estaduais na criação de um decreto visando dar garantias aos concursados.

 

Maria Mendonça II

Para Maria, os problemas enfrentados da FHS são uma tragédia anunciada que, no entanto, não podem recair sobre os mais de seis mil trabalhadores. “Tudo que está posto foi alertado no começo, mas infelizmente, esta Casa aprovou a criação da Fundação. No entanto, na situação que está, é preciso que o Legislativo abrace a causa com amor e defenda os trabalhadores que não têm culpa nenhuma da falta de diligência na gestão”, disse a parlamentar.

 

Francisco Gualberto I

Já o deputado estadual Francisco Gualberto, líder do governo, tranquilizou os servidores celetistas das fundações de saúde do Estado de Sergipe. Nas últimas semanas a notícia de que as fundações criadas no governo de Marcelo Déda podem ser extintas através de medida judicial deixou centenas de trabalhadores preocupados com seus empregos.

 

Francisco Gualberto II

“A posição do secretário de saúde é de que os servidores e as fundações não estão em pauta. Nem o Ministério Público Estadual está sequer insinuando que os servidores possam perder o emprego em caso de extinção das fundações, nem a ação judicial aponta para isso”, garante Francisco Gualberto. “Até porque se forem extintas, o serviço continuará sendo do Estado. A execução passará para a Secretaria de Saúde. Seria diferente se fosse uma fundação privada que presta serviços somente. O único contratante das fundações é o Estado”, disse.

 

Cabo Amintas I

O vereador Cabo Amintas (PTB) cobra o cumprimento do convite feito pela secretária de Saúde com a intenção de revisitar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Fernando Franco, onde, há cerca de um mês, o parlamentar denunciou graves problemas.

 

Cabo Amintas II

“Quando trouxe imagens da minha visita à UPA, eles [Secretaria de Saúde] me procuraram e me disseram que estava tudo resolvido. Houve a promessa do assessor de imprensa de uma nova visita, dessa vez acompanhada pela secretária de saúde Waneska Barbosa”. E concluiu: “Até agora nada. Já encontrei o assessor mais duas vezes e o convite ainda não foi cumprido [...] Eu gostaria de ir, ver a realidade, escutar o lado dos pacientes”.

 

Iran Barbosa I

O vereador Iran Barbosa (PT) fez uma análise da política educacional que tem sido adotada pelo governo do Estado de Sergipe e que interferirá nos municípios sergipanos. Iran mostrou-se preocupado com as consequências da política de desresponsabilização do Governo do Estado com a oferta do Ensino Fundamental para o povo de Sergipe.

 

Iran Barbosa II 

“A legislação nacional determina que a responsabilidade da oferta desse nível de ensino é partilhada entre os Estados e os Municípios. Na medida em que o Governo do Estado resolve que as escolas estaduais reduzirão seu atendimento ou não mais oferecerão o Ensino Fundamental, as escolas municipais vão ficar sobrecarregadas, o que refletirá na qualidade da educação, pois os Municípios não estão financeiramente e estruturalmente preparados para assumir, sozinhos, essa responsabilidade, que deve ser partilhada, de acordo com a Lei, com o Estado”, analisou o parlamentar. 

 

Eduardo Amorim I

O senador Eduardo Amorim (PSDB) apresentou emenda de R$ 150 milhões, ao Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2018, para a realização de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para agropecuária da Embrapa, na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). A proposta tem por objetivo alavancar o desenvolvimento agrícola do País, melhorando os índices de produtividade no campo.

 

Eduardo Amorim II

Segundo o senador, o objetivo principal está no desenvolvimento agrícola do País, com aporte aos resultados econômicos em todo o setor, soberania tecnológica e melhoria dos índices de produtividade e de sustentabilidade no campo. “A agropecuária é a atividade econômica mais importante do Brasil e o trabalho da Embrapa ajudou a consolidar esta realidade”, explicou Eduardo.

 

Justificativa

Para alcançar tais metas, a Embrapa necessita de recursos para garantir a continuidade das ações de pesquisa, desenvolvimento, inovação, transferência de tecnologia e desenvolvimento institucional, que hoje contam com mais de 1.000 projetos aprovados e em andamento em todo o Brasil. Segundo a justificativa da emenda, neste contexto também é priorizada a modernização da infraestrutura física de apoio à pesquisa.

 

Róbson e Maria I

O deputado estadual Robson Viana (PEN) está em Brasília, onde participou de uma reunião com a senadora Maria do Carmo Alves (DEM). O objetivo foi confirmar o andamento das emendas parlamentares destinadas a 13 municípios sergipanos. Elas foram propostas no final de agosto, quando Robson levou 11 prefeitos e dois representantes de prefeituras ao gabinete da senadora, onde puderam apresentar as demandas das suas cidades. Todas as emendas foram confirmadas por Maria.

 

Róbson e Maria II

“Estive no gabinete da senadora, levando onze prefeitos e mais dois secretários representando seus municípios. Cada um deles apresentou uma demanda, ou seja, foram trezes emendas, e a senadora confirmou que está tudo ok. Foi um compromisso firmado com os prefeitos e está sendo concretizado, todas as emendas vão ser mantidas pela senadora, a pedido do deputado Robson Viana”, explicou o deputado.

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

 

Habacuque Villacorte

Jornalista há mais de 15 anos no mercado sergipano, Habacuque Villacorte há quase 12 anos responde pela editoria de política do Jornal Correio de Sergipe, onde também é o responsável pela coluna Quórum, aos domingos, além de acumular vasta experiência com gestão pública e assessoria de comunicação. Começou sua trajetória no Jornal da Cidade e já fez análises políticas na Rádio Jornal AM e na TV Alese.